Resto

H e l l o.

Hoje queria partilhar com vocês algo abstrato. Que cada um poderá tirar as próprias conclusões.

Vou falar-vos do resto. O resto que pode ser qualquer coisa ou pessoa que tu aches que é apenas o resto. O resto que não te soma. Que não te traz felicidade ou qualquer tipo de benefício. E entendam benefício como aquele resto com que não aprendes, que não te soma em atitudes positivas ou comportamentos melhores, não contribuindo em nada para o teu crescimento pessoal. Aquele resto que julga que pode ter ou ser, mas que não tem e tão pouco sabe ser. Tão pouco sabe ser gente, útil ou necessário. Resumindo-se apenas ao resto.

Na sociedade em que vivemos deparamo-nos com muito dedo na cara e pouco olho no olho, com demasiado nariz a tocar no céu e pouco pé no chão. Hoje nesta sociedade não sobram julgamentos, mas falta imensa verdade nas palavras e ainda mais nas atitudes e na ladaínha que vão soltando aos 7 ventos.

Deparamo-nos com imenso salto alto em rés do chão e muito pé descalço com palácio entre os olhos. Muita unha envernizada chorada e mãos sujas muito mais dignas ainda!!

E o resto sempre será o resto…independentemente do que foi ou do que seja!!!

Orgulhosamente

Antes de mais deixai-me que vos diga que nunca em momento algum nos devemos esquecer das nossas raízes, de onde nascemos e fomos criados e se há algo que me deixa o coração a palpitar a cada notícia e a cada publicação fotográfica é a minha querida cidade natal, Bragança.

Partilho hoje com vocês esta imagem tirada hoje pela manhã pelo nosso mui conhecido e amigo Fernando Nunes que pertence à equipa da SIC de Bragança.

Estou com o coração  do tamanho de uma ervilha.

As recordações destes dias com nevões são imensas. Reivindicávamos todos os dias por acordar cedo para ir para a escola, mas nesses dias, a escola fechava e nós não ficávamos nem mais um segundo na cama depois dos nossos pais carinhosamente irem junto a nós à cama informar-nos que podíamos dormir que não havia escola. Agrupávamos e seguíamos em bando fazendo bonecos de neve por todo o lado, mini muros de protecção para se iniciar a famosa pelotada em que não havia equipas e era proibido defenderes alguém. Cada um por si na pelotada era a regra número um. Contudo, não nos podíamos descuidar com as horas, pois nesses dias os nossos pais com um bocado de sorte também ficavam em casa impossibilitados de chegarem ao local de trabalho e enquanto nos enroscavam o cachecol e apertavam bem o casaco liam-nos o reportório como em todas as outras vezes, para ter cuidado com as brincadeiras, para quando estivesse molhada ir trocar de roupa senão iria ficar doente entre todas as outras recomendações que pouco ouvíamos pois a vontade de sair a correr porta fora era bem maior.

Estes dias são guardados no coração de todos nós.

Até podemos ter nascido e vivido no interior, ficando longe dos grandes centros urbanos, das grandes praias e de imensas lojas incríveis, mas E DAÍ ????? Queres saber? Nós somos bem felizes, não temos praia não, mas temos mil rios e cascatas à nossa disposição e, sinceramente para que iríamos querer nós uma praia no inverno se é só no verão que podes desfrutar dela? A menos que sejas surfistas ou que pratiques qualquer outro tipo de desporto, mas ainda assim, nós preferimos o interior, lá temos desportos de inverno e inventamos outros tantos, sabiam? Quando neva vamos à procura da melhor descida, enfiamo-nos dentro de sacos do lixo bem fortes e vamos por lá baixo fazendo o que nós chamamos de Sku, que é bem mais divertido por sinal que o Ski que todos conhecem. Não temos as lojas incríveis que vocês têm, mas também temos algumas que gostamos e ainda assim preferimos não ter essas lojas todas da moda na nossa cidade pois assim não temos muita confusão nas nossas ruas, tornando assim a nossa cidade uma excelente ideia para morar e viver com uma qualidade de vida acima da média (estudos comprovam). Também não temos esses bares da praia para ires tomar uma cerveja e comer uns caracóis ao fim do dia, mas posso-te garantir que as bifanas do FF às 6h da manhã, levares o merendeiro (como se diz lá no interior) para a Barragem de Castanheira ou ires até ao Azibo, é bem melhor que todo e qualquer bar de praia apinhado.

Aaaaah e deixem-me que vos diga também que nós sabemos de onde vem o ovo, nós temos o melhor fumeiro, a melhor comido e sobretudo o melhor vinho. Sem falar do vinho do Porto claro, mas até esse está no norte. Nós temos costumes/tradições bem presentes na nossa vida e sabemos também de onde vem a carne, a couve, o tomate e tudo o que nos põem no prato, pois lá no interior temos imensos animais . Alguns de duas patas também, não podíamos ser de excelência em tudo kkkkk

Para finalizar frisar que este post não foi de todo uma crítica ou querer ferir os que se encontram abaixo do norte e que tal como eu são orgulhosos das suas raízes. Apenas quero expressar que sou orgulhosamente orgulhosa das minhas raízes, mas também não me esqueço do resto de portugal que tantas outras coisas óptimas tem e que nos deliciam, mas o norte é algo que me fascina e apaixona a todo o instante.

 

Kiko & Flormar !!!

H e l l o.

Vou começar por vos apresentar a base Kiko que eu adoro e o meu Batom da Flormar.

São produtos completamente indispensáveis no meu necessaire para todo e qualquer lugar que vá.

A base Kiko é fenomenal, convém que se esbata muito bem antes da aplicação pois espalha muito bem na pele e assim consegue-se um efeito mais natural da pele. Dura numa média de 10h, sinto-me muito bem durante o dia com ela.

O batom da Flormar Silk Matte de longa duração é uma excelente opção quer para o dia a dia, quer para ocasiões especiais. Sabemos que esta cor “Biringela” (como as morceguinhas teimam em lhe chamar) é uma cor forte e que combina tão bem com tons de pele clara como com os mais escuros, o que faz com que seja uma óptima opção para todas as mulheres, realçando assim os seus lábios todo o dia.

Espero que adorem e desfrutem destes produtos maravilhosos, girls !!!

Stay Strong Little Girl

Vai sempre existir alguém que venha para te criticar, quem se esforce por te derrubar, quem fique feliz com a tua tristeza, quem desdobre a mente em mil e um estratagema para te ver para baixo.
Desistir por causa do que os outros pensam, dizem ou esperam de ti? Não. Não pode fazer parte dos teus planos, tão pouco ocupar a tua mente por um segundo que seja, e desistir do que tanto pedes e queres com o coração também não é opção.
O ruído dos que especulam à tua volta vai sempre existir, pois em pessoas de poucos valores e princípios a única coisa que é grande é a língua, mas cabe a ti esquecê-lo ou aprender a viver com ele, pois a mediocridade dos outros nunca te poderá afectar.
Na vida, bem sabemos que não é o mais forte nem o mais inteligente que sobrevive, mas aquele que melhor se adapta às mudanças e às circunstâncias. Cabe a nós ter esse skill de nos moldarmos consoante as adversidades para assim vingarmos. 

Baixar os braços não é a solução.

Portas e Janelas

Fechar algumas portas por vezes é a melhor solução. Não por orgulho ou incapacidade de as manter abertas, mas simplesmente porque já não nos levam a lugar algum, já não servem nem para lembrança quanto mais para algo de útil.
Estarem abertas deixou de fazer sentido talvez desde que as abrimos, e nem demos conta. Ao invés de janelas. Que julgávamos que por serem pequenas não iriam ter tamanha importância, e num segundo de atenção a espreitar por elas descobres o mundo. Descobres o teu mundo. Descobres-te a ti. Descobres que por teres tido tamanha audácia, coragem e bravura de fechares uma porta, por de trás desta estava tudo o que precisavas, escancarado só para ti.
Aprendes que um segundo de atenção pode mudar o destino e que nunca o medo te pode impedir de ser feliz. Que nunca nenhuma tormenta poderá te fazer baixar os braços.

Primeiro post do blog

H e l l o.

 

Hoje, e porque hoje é o final de um mês e todos os finais de ciclos são demarcados por algo ou por alguma razão, finalizo então este meu mês de inúmeras batalhas com a criação de um novo blog, o meu, Âncoras De Uma Vida.

Será de opinião própria, uma visão da sociedade de hoje em dia. De como os outros nos vêem a nós mulheres, independentes e seguras de nós mesmas e como nós vemos os outros. Será também acerca de todas as viagens e experiências que aconteçam em cada entretanto.